domingo, 28 de fevereiro de 2010

Morre José Mindlin, 95 anos, bibliófilo e empresário

SÃO PAULO – O empresário e bibliófilo José Mindlin, de 95 anos, morreu na manhã deste domingo no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, por falência de múltiplos órgãos. Ele estava internado há cerca de um mês na instituição, com pneumonia.

Mindlin reuniu ao longo de 80 anos uma biblioteca, chamada Biblioteca Brasiliana, que é considerada a mais importante coleção do gênero no Brasil formada por um particular. Ele e sua esposa doaram o acervo no ano passado à Universidade de São Paulo (USP). Parte dos livros e documentos reunidos já pode ser consultada na Internet.

O conjunto de livros e manuscritos inclui cerca de 40 mil volumes, entre obras de literatura brasileira e portuguesa, relatos de viajantes, manuscritos históricos e literários (originais e provas tipográficas), periódicos, livros científicos e didáticos, iconografia (estampas e álbuns ilustrados) e livros de artistas (gravuras).

Filho de judeus nascidos em Odessa, Ucrânia, que emigraram para o Brasil, Mindlin começou a formar sua biblioteca aos 13 anos de idade. Entre as obras, colecionadas com seriedade desde a década de 1930, estão raridades como a primeira edição de “Grande Sertão: Veredas”, de Guimarães Rosa, e a primeira edição de “O Guarani”, de José de Alencar, livro que demorou quase 20 anos para ser comprado, entre leilões e oportunidades perdidas.

O acervo também conta com o primeiro livro em que o Brasil foi citado, em uma coletânea de viagens de 1507 que noticia a viagem de Pedro Álvares Cabral. Em entrevista ao iG em 2009, Mindlin declarou: "Tinha pena de quem não dava o devido valor aos livros e não sabia o que estava perdendo, o prazer que os livros podem proporcionar".

Formado pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, Mindlin fundou a indústria de autopeças Metal Leve, onde ficou até 1996. Dono da cadeira número 29 da Academia Brasileira de Letras, da qual passou a fazer parte em 2006, Mindlin era advogado, jornalista e empresário. Entre as obras que escreveu, estão memórias esparsas de sua biblioteca, como "Uma Vida Entre Livros".

* Com Agência Estado e Reuters

Fonte: Último Segundo

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Morre ator Andrew Koenig em Vancouver - Conhecido pela série 'Growing pains', ator era filho de ator de 'Star trek'.

Ator que Morreu: Andrew Koenig

Os pais do ator americano Andrew Koenig confirmaram, em entrevista coletiva, que o corpo encontrado em um parque de Vancouver na quinta-feira (25) é o de seu filho.

Ele "tirou sua própria vida. Obviamente sentia uma grande dor", disse o pai, o também ator Walter Koenig, conhecido por seu papel como Pavel Chekov na série de televisão "Star Trek".

Walter e sua mulher, Judy, tinham viajado para Vancouver na quarta-feira (24) para buscar o filho, de 41 anos, que tinha desaparecido no dia 14 de fevereiro na cidade canadense.

A polícia canadense informou que o corpo do ator, que ficou famoso na comédia televisiva americana "Growing Pains", foi descoberto em uma área de floresta no Parque Stanley, um dos maiores parques urbanos da América do Norte, que fica em Vancouver.

Antes que o corpo fosse encontrado, Walter e Judy tinham solicitado a ajuda da população da cidade canadense para localizar o filho, que sofria de depressão. Segundo a imprensa local, Andrew tinha deixado de tomar remédios há um ano.

Koenig desapareceu em Vancouver após vender todas suas posses no estado americano da Califórnia, onde morava, e viajar ao Canadá para visitar amigos.

"Acho que é algo que foi parte de sua natureza há muito tempo. Não é um único trauma. Não há um episódio. Não há nada assim. Só quero dizer que ele é uma boa pessoa. Todos que o conheciam gostavam muito dele", escreveu o pai em seu site pessoal.

A Polícia canadense disse que a última vez que o telefone celular de Andrew foi utilizado foi 16 de fevereiro, na região do Parque Stanley. No mesmo dia estava previsto o retorno do ator a Los Angeles. O desaparecimento foi reportado dois dias depois.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Morre Kathryn Grayson, estrela dos musicais de Hollywood

Los Angeles - A soprano e atriz Kathryn Grayson, estrela dos musicais de Hollywood nos anos 40 e 50, morreu de causas naturais em Los Angeles aos 88 anos, segundo informa nesta quinta-feira (18) a imprensa americana.

Entre seus filmes mais famosos estão "Marujos do Amor" (1945), em que atuou ao lado de Frank Sinatra e Gene Kelly, e "O Barco das Ilusões" (1951), no qual contracenou com Ava Gardner e Howard Keel.

Nascida Zelma Kathryn Hedrick, a atriz esteve em cerca de 20 filmes, o último deles "O Rei Vagabundo" (1956). Depois, deixou o cinema para se dedicar à ópera, um sonho de infância.

Kathryn participou de produções como "A Viúva Alegre", "Rosalinda" e "Camelot". Ao lado de Howard Keel, fez uma longa turnê com "O Homem de La Mancha". A atriz se casou duas vezes e teve uma filha, Patricia Towers.


Da Agência efe

Foto: Divulgação

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Morre humorista Arnaud Rodrigues do programa "A Praça É Nossa"

Arnaud Rodrigues: Humorista da Praça é Nossa que morreu
Arnaud Rodrigues: Humorista da "A Praça é Nossa" que morreu

O humorista Arnaud Rodrigues, 67, --conhecido por suas participações nos programas do Chico Anysio, na TV Globo, e "A Praça É Nossa", do SBT-- morreu ontem após o barco em que estava virar no lago da usina de Lajeado, em Palmas (TO).

O acidente ocorreu por volta das 17h30, mas o Corpo de Bombeiros confirmou a morte do artista no começo da noite.

Ele estava num barco com capacidade para oito pessoas, mas havia nove na hora do acidente, segundo os bombeiros.

Entre elas, estavam a mulher do humorista, Celeste Rodrigues e quatro crianças --sendo duas delas netos do artista.

Rodrigues também era músico. Nos anos 70, formou um grupo musical com Chico Anysio chamado Baiano e os Novos Caetanos.

Na televisão, um de seus personagens mais conhecidos foi o Coronel Totonho, de "A Praça É Nossa".

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Morre Jogador de Futebol - Campeão do mundo em 1958, zagueiro Orlando morre aos 74 anos no Rio

Orlando Peçanha de Carvalho (esquerda), zagueiro campeão do mundo em 1958, morreu nesta quarta-feira, no Rio de Janeiro, aos 74 anos. Um dos grandes zagueiros da história do futebol brasileiro, Orlando era conhecido por sua aplicação, força física e capacidade de antecipação. O jogador formou com Belini uma grande dupla de zaga no Vasco e na seleção.

Orlando foi campeão mundial em 1958. Participou ao todo de 34 partidas pela Seleção, disputando também a Copa de 1966. Nos clubes, marcou época no Vasco, foi ídolo no Boca Juniors da Argentina e retornou ao Brasil pelo Santos, onde atuou até 1969. Porém, terminou a carreira no Vasco em 1970.

Depois de começar nos juvenis do Vasco, Orlando foi promovido para o elenco principal em 1954, no processo de renovação do time que saia da fase de ouro chamada de Expresso da Vitória. Foi campeão carioca em 1956 e 1958 com uma defesa que ficou na memória da torcida vascaína: Paulinho, Belini, Orlando e Coronel.

Em 1960, Orlando transferiu-se para o Boca Juniors, da Argentina, onde atuou ao lado de outros brasileiros como Almir, Dino Sani, Maurinho e Paulinho Valentim. Logo tornou-se ídolo da torcida pelo seu vigor físico e pela liderança, fazendo nos clássicos contra o River Plate um duelo inesquecível com outro brasileiro e também ex-vascaíno, Delem. Com o Boca, Orlando foi campeão argentino em 1962 e 1964.

Em 1965, retornou ao futebol brasileiro para jogar no Santos, onde foi campeão paulista nos anos de 1965 e 1967. O zagueiro foi também presidente da Associação Brasileira de Treinadores de Futebol.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Morreu Pena Branca - Em sua carreira ficou conhecido pela clássica dupla de música sertaneja que formou com Xavantinho

Pena Branca morreu ontem (08/02/2010) durante a noite depois de sofrer um infarto em sua casa. Ele tinha 70 anos. O corpo do cantor sertanejo José Ramiro Sobrinho, conhecido como Pena Branca, será enterrado hoje, às 17h, no cemitério Parque dos Pinheiros, na zona norte de São Paulo.

Pena Branca, que tinha quase 50 anos de carreira, ficou conhecido com dupla sertaneja Pena Branca e Xavantinho, que criou com o irmão.

Após a morte do irmão, em 1999, o músico seguiu uma carreira solo elogiada. Em 2001, recebeu o Grammy Latino de melhor disco sertanejo por "Semente Caipira", trabalho idealizado quando Xavantinho ainda era vivo. O disco traz três composições de sua autoria: "Papo Furado", "Casa Amarela" e "Rio Abaixo Vou Viver".

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Lenda do jazz britânico, John Dankworth morreu hoje aos 82 anos

O tema da série ' Os Vingadores' é um de seus trabalhos mais conhecidos. Tocou ao lado de Nat King Cole, Ella Fitzgerald e Oscar Peterson.

O saxofonista Sir John Dankworth, um dos principais nomes do jazz britânico, morreu neste sábado (6) aos 82 anos.

Em sua carreira trabalhou muito próximo de nomes como Nat King Cole, Ella Fitzgerald e Oscar Peterson. Também foi o autor do tema de abertura da série de televisão "Os Vingadores".

Ddescrito pela "Jazzwise Magazine" - revista mensal britânica que trata de praticamente todas as correntes do jazz - como "um dos maiores símbolos do jazz britânico", o músico morreu em um hospital em Londres. A causa não foi revelada.

Dankwort nasceu em 1927, em Essex, sudoeste da Inglaterra e começou a tocar clarinete na adolescência antes de entrar para a Academia Real de Música em Londres aos 17 anos.

Inspirado no saxofonista Charlie Parker, ele trocou de instrumento e rapidamente começou a compor, arranjar e gravar músicas nos dois lados do Atlãntico.

Era casado com a cantora Cleo Laine por mais de 50 anos e deixou dois filhos, Alec e Jacqui. Ambos seguiram a carreira do pai.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Morre Te Wei, pai dos desenhos animados chineses

O pai do cinema de animação chinês, Te Wei, morreu na noite de quinta-feira na cidade de Xangai, aos 95 anos, informou hoje a agência oficial "Xinhua".

A principal contribuição de Te Wei para o mundo da animação foi a transposição para as telas das tradicionais técnicas da pintura chinesa, o que fazia suas criações parecerem quadros em movimento.

O artista começou trabalhando como autor de tiras de quadrinhos nos anos 1930, fez parte da brigada de desenhistas responsável pela propaganda antinipônica após a invasão japonesa de 1937, e, depois da criação da República Popular, em 1949, passou a ser o grande nome da animação na China.

Nos anos 1950, após vários filmes inspirados nos desenhos animados soviéticos, Te Wei decidiu dar uma guinada em seu trabalho e incluir tradições, contos e técnicas pictóricas chinesas nos filmes que fazia.

Em 1956, lançou "The Conceited General", um de seus maiores sucessos, no qual usava movimentos típicos dos atores da ópera de Pequim.

Depois, tentou levar para o mundo dos desenhos animados a tradicional pintura chinesa de aquarela e tinta, o que conseguiu com "Where is Mama" (1960), filme ganhador de vários prêmios internacionais.

Em 1995, aos 80 anos, Te Wei recebeu da Associação Internacional de Filmes de Animação (Asifa) um prêmio pelo conjunto da obra.

Fonte: EFE

Foto: Marie-Claire Kuo Quiquemelle

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Em 1997 morria Chico Science


Francisco de Assis França, mais conhecido pela alcunha de Chico Science (Olinda, 13 de março de 1966 — Recife, 2 de fevereiro de 1997) foi um cantor e compositor olindense, um dos principais colaboradores do movimento manguebeat em meados da década de 1990. Líder da banda Chico Science & Nação Zumbi, deixou dois discos gravados: Da Lama ao Caos e Afrociberdelia, tendo sua carreira precocemente encerrada por um acidente de carro na rodovia entre as cidades de Olinda e Recife, quando o cinto de segurança do carro que ele dirigia rasgou

Morre David Brown, produtor de 'Tubarão' e 'Conduzindo Miss Daisy'

Veterano de Hollywood de 93 anos morreu em casa, em Nova York.
Produtor recebeu quatro indicações ao Oscar, mas nunca foi premiado.

Morre David Brown, produtor de 'Tubarão' e 'Conduzindo Miss Daisy'

O veterano produtor de cinema norte-americano David Brown, quatro vezes indicado ao Oscar e cujos trabalhos incluem "Tubarão" e "Conduzindo Miss Daisy", morreu nesta segunda-feira (1º) aos 93 anos em sua casa em Manhattan depois de uma longa doença, informou a Hearst Corporation.

O ex-jornalista também é responsável por ter ajudado a levar pela primeira vez Elvis Presley às telonas em "Ama-me com ternura" ("Love me tender"), além de ter participado do lançamento da carreira do diretor e vencedor do Oscar Steven Spielberg.

Após ser contratado em 1951 para dirigir o departamento de roteiros da 20th Century Fox, Brown cresceu na empresa antes de abrir uma produtora com Richard Zanuck, em 1972.

Um dos primeiros filmes da nova associação foi o sucesso "Golpe de mestre" ("The sting"), de 1973, protagonizado por Robert Redford e Paul Newman.

Brown e Zanuck também trabalharam com Spielberg em "Louca escapada" (The Sugarland express) e logo o contrataram para dirigir "Tubarão". Os produtores dissolveram a companhia em 1988 quando Brown fundou sua própria empresa, a The Manhattan Project Ltd.

Brown foi indicado quatro vezes para Oscar de melhor filme por "Tubarão", "O veredicto", "Questão de honra" e "Chocolate", mas nunca recebeu o cobiçado prêmio.

Brown nasceu na cidade de Nova York e foi casado por mais de 50 anos com a autora e editora da revista "Cosmopolitan", Helen Gurley Brown.

Morre aos 46 anos Cláudio Chiniran, o ET, da dupla com Rodolfo no programa do Gugu


Morreu à 1h30 desta terça-feira (2) Cláudio Chiniran, o ET, que fez dupla com Rodolfo no programa do Gugu.
Cláudio foi vitimado aos 46 anos por uma parada cardíaca em decorrência de choque séptico, broncopneumonia e insuficiência renal.
O humorista ganhou fama por conta de suas participações nos programas "Ratinho Livre" e, mais tarde, no programa comandado por Gugu Liberato no SBT.
Ele estava internado em coma induzido no hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo, na capital paulista, desde quinta-feira (28).
O velório do humorista acontece na manhã de hoje no cemitério Bela Vista, em Osasco. O enterro está previsto para acontecer às 16h.

Via UOL

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Morre, aos 75 anos, o jornalista e escritor argentino Tomás Eloy Martínez


O jornalista e escritor argentino Tomás Eloy Martínez morreu neste domingo aos 75 anos após anos de luta contra um câncer.

Martínez nasceu em 1934, na cidade de San Miguel de Tucumán, colaborava como colunista nos jornais "El País", "La Nácion" e "New York Times". Em 2009, ele recebeu o prêmio Ortega y Gasset de jornalismo.

Martínez foi o principal autor de romances políticos da Argentina. Perón e Evita ganharam projeção dramática e tratamento ficcional, tendo a verdade histórica como ingrediente essencial dos livros "Romance de Perón" e "Santa Evita".

Exilado durante todo o período militar argentino (1976-1983) em decorrência da perseguição de um grupo de extrema direita, ele viveu na Europa e na Venezuela.

O último livro de Martinéz lançado no Brasil foi o romance "Purgatório", que retrata a personagem que busca o amante desaparecido por 30 anos e o reencontra sem que tenha envelhecido.

Em entrevista a Folha em julho de 2009, o escritor falou sobre a proximidade entre o tema do livro e a sua época no exílio. "O exílio e o purgatório têm muito em comum. Em ambos a essência é a espera, uma espera que parece infinita, ao mesmo tempo uma espera cheia de esperança".